divulgar-com-pouco-dinheiro

Divulgar com pouco dinheiro é possível! Como começar?

Uma das razões pelo qual o mundo gira em torno da curva da oferta e da procura, é simplesmente a propaganda que fazemos do nosso negócio. Não é à toa que dizem que ela é a alma e que para alimentar esse negócio nada melhor que um anúncio bem feito. No meio digital, o conceito continua o mesmo, e digo ainda mais, o digital existe porque a publicidade online está conosco, quer ver?

O que precisamos ver…

Quando você liga seu computador e vai para a web, a primeira coisa que a maioria dos usuários encontra é o Google, com a sua caixinha mágica para buscar o que você quiser e ter o que desejar. Para isso, basta clicar seja nos links patrocinados (em amarelo) ou na busca orgânica, que muitas vezes está lá, graças aos tantos links que direcionam um site, e se for ver bem de perto, são alimentados por publieditoriais ou similares, os linkbuilding do SEO, embora não seja via de regra, uma maneira diferente de capitalizar links entre sites.

Isso sem contar os links patrocinados da Rede Display (rol de sites que disponibilizam espaços ao Google para divulgar banners e vídeos) ou ainda os anúncios de textos que caracterizam o Adsense, uma maneira de monetizar um site ou blog.

Além disso, você encontra anúncios nas redes sociais, nos e-mails, nos smartphones, ou seja, em toda a extensão da internet, que se diga de passagem chega a ser cansativa. Por tudo isso você precisa ver o contexto e analisar o que fazer e como começar.

No caminho certo

Então esse é o caminho que devemos seguir para ter sucesso com nossas vendas virtuais? Ora, senão puder vencer, junte-se a ele. Mas de que maneira isso seria eficaz e traria retorno? Como abordar? Quanto gastar? Quanto tempo devem durar? Enfim são tantas as dúvidas, que levantei essa lebre para deixar algumas dicas e ajudar quem está começando; assim o susto é menor. Vamos lá?

Era uma vez…um propósito para divulgar

Assim que tudo começa para dar um final feliz, a base deve ser bem definida para não escorregar cair e se machucar. Então você deve ter pelo menos ciência dos dois formatos mais expressivos, vendas ou branding (divulgação da marca).

Caso queira vender, você sempre vai usar o CPC (custo por clique), onde você vai gastar por clique feito em seu site, no botão comprar, ou do meio onde você está anunciando e o que ele pode oferecer. Foque sempre nos call to action (chamadas para ação), coloque seus contatos em caso de dúvida ou futuras transações, mostre seu diferencial e ofereça vantagens (frete grátis, compre um e ganhe dois, cupom desconto, etc.). O objetivo aqui está no seu site.

Já no caso do Branding, (diferente do Brand) é o que chamamos de reconhecimento de marca, a percepção dele pelo consumidor; ele é utilizado para divulgar a marca em si, ganhar mercado e reconhecimento do público. A ordem aqui é aparecer e fazer formadores de opinião, seja nas redes sociais, sites, blogs e porque não nos links patrocinados. Eles funcionam melhor por CPM, custo por mil impressões, ou seja, cada vez que seu anúncio aparecer em alguma chamada, a cada mil impressões, será cobrado independente do clique. Portanto defina o propósito e logo parta para o planejamento. O objetivo aqui está no próprio anúncio.

O planejamento fez tudo crescer e se transformar!

De fato, sem planejamento qualquer ação está fadada ao fracasso, principalmente no meio digital, onde tudo deve ser bem definido e estudado, pois cada aba, cada e-mail, cada post é sem precedentes, uma distração, um chamariz que pode ser usado ao seu favor. Por isso, trace todos os objetivos e faça dos anúncios as metas para alcançar esses objetivos, estipule prazos, que você vai definir de acordo com as datas de início de campanha, resultados obtidos e, é claro, e prováveis datas comemorativas, mas no básico não deixe mais de três meses. No caso de campanha institucional, você poderá deixar mais tempo, porém dê uma cara nova, principalmente no visual.

Não descuide da força da palavra

A palavra-chave, no caso dos links patrocinados, é o ativador dos anúncios criados, por isso preste bastante atenção sempre na aparição da mesma, seja em títulos, conteúdo do anúncio e também na landing (a página onde o cliente vai quando clica no anúncio), isso estimula à boa qualidade da sua propaganda, não esqueça que tudo deve estar sincronizado e falando o mesmo idioma. Aproveitando o ensejo, não queira dar uma de esperto e fazer anúncios de palavras-chave que funcionam como iscas (nome de celebridades, assuntos da moda, hypes em geral) e direcionar para seu site sem nada ter a ver com o conteúdo do mesmo, isso além de acarretar gastos desnecessários poderá dar uma bela punição para o SEO do seu site, então cuidado e sem gracinhas.

Utilize as palavras menos genéricas, que são mais caras e nem sempre demonstram um resultado esperado, principalmente quando falamos em vendas. Tente definir inúmeros adjetivos e possibilidades da palavra genérica em relação ao seu produto, assim você vai conseguir definir melhor o seu objetivo. Não menospreze as palavras negativas e os termos pesquisados, que podem tanto se tornar em um ou outro. Faça sempre uma faxina nesse quesito, nas campanhas do Adwords, assim seu resultado será mais benéfico e você ficará mais organizado.

Separar o joio do trigo

Isso chamamos de segmentar, procure em seu planejamento entender, além da finalidade, a quem se destina o anúncio, onde, quando e como. Por exemplo, veja o seu público alvo, entenda faixa etária e gênero, localização e idioma, os dias em que seu anúncio converteu mais, foi impresso e clicado em maior número, veja também como as pessoas chegaram nele, isso você consegue visualizando as palavras-chave com maior destaque. O posicionamento do seu anúncio também é bem interessante, assim você vai entender se o seu lance está na média, se o seu QI (índice de qualidade de anúncio) está bom, além de outras métricas.

No caso das redes sociais, faça isso por interesses do público, cargos, empresas, locais, enfim, tudo o que puder para segmentar. Se for o caso, duplique os anúncios e coloque para horários, públicos e finalidades diferentes. O Facebook tem várias opções que, de maneira criativa, fazem você optar por campanhas diferenciadas e retornos garantidos.

Quanto vai custar?

Bem essa é a pergunta que não quer calar. Mas vou ser bem franca, depende de duas premissas, o que você sabe (informação é poder) e de quanto você pode gastar, simples assim; mas logo de cara se você não tiver nem um e nem outro, menos sempre é mais.

Fundamente em campanhas simples, no começo de impulsionamento de página (Fb) e no caso dos links patrocinados tenha sempre em conta o bom uso da palavra-chave (QI), a segmentação e estratégia de precificação em seus lances (aumente ou diminua de acordo com o CRT, Impressões/cliques e posicionamento médio).

Mas para não deixar você sem resposta, testar sempre foi a melhor solução, mas vamos ser modestos, comecemos por datas comemorativas ou promoções (R$ 1,00) lance mínimo no Fb, (R$ 4,00) lance mínimo no linkedin, e no caso do Adwords depende muito do lance das palavras-chave, que podem chegar a custar mais de R$10,00, mas é claro depende muito de outros fatores, já mencionados aqui. Se tiver dúvidas você pode deixar a opção do lance por conta do próprio Google, apenas para começar e entender o funcionamento.

No caso do social commerce, poderia começar com 50 reais por mês, impulsionando a página e ou com posts patrocinados no Facebook e deixaria R$ 200,00 para campanhas no Google Adwords, logicamente sempre monitorando resultados e com o maior número de variáveis segmentadas.

Onde devo anunciar?

Vou ser direta: Se você tem uma loja virtual no Facebook anunciar é uma obrigação, uma vez que eles são ótimos para você até a página 33, depois disso para divulgar seus posts orgânicos ou qualquer movimento na sua fan page, só pagando; sem mais rodeios e cá para nós, é muito bom. Recomendo para começo.

Linkedin, para que? Então esta rede é muito boa para o público que está em crise, eu chamo assim, porque geralmente são pessoas em busca de novas oportunidades, para trabalhar seu marketing pessoal ou mostrar algum dote artístico (palestras, coach, etc), portanto use esta rede social para este tipo de público, como serviços para empresas, para profissionais; tudo focado nesse nicho. Existe uma minoria, mas neste caso foque no Branding, pois os anúncios são caros e dificilmente o público vai para essa rede para comprar, aqui a finalidade é contratar.

No caso dos buscadores (Google, Yahoo) anunciar é uma faca de dois gumes, pois a concorrência é grande, todas as empresas têm voz e vez, porém como já disse antes, você tem dois caminhos para se destacar: Pelo valor do lance (dinheiro investido) ou pelo conhecimento para sua campanha render mais (contratar mão especializada), o que antes era muito simples, hoje é custoso em múltiplas variáveis. Por isso, neste caso acompanhe bem de perto o ROI (retorno do seu investimento) e preste bastante atenção aos resultados.

Existe outra vertente que são os comparadores de preços, como o Zoom, Buscapé, Bondfaro, e outros; aqui o lance é por cpc, contudo, além disso a oferta deve agradar gregos e troianos (preço, marca, etc.) e no final a conta pode ser bem cara, mas testar pode compensar.

Sites ou blogs, aqui a atenção deve ser redobrada por dois fatores, primeiro você vai receber um kit mídia, que vai sinalizar o status do meio onde vai divulgar, mas que você não tem 100% de certeza, e outra dúvida é o público que visita esse site, se é o mais indicado para seu produto ou serviço; tome todas as precauções, veja quem já anunciou, se tem espaços com outros anúncios, leia o contrato de prestação de serviços com bastante atenção, negocie os valores, e, se anunciar, monitore o banner com o GA (Google analytics), essas medidas são indispensáveis para seu sucesso.

Como está nosso papo

Outro tema bem complicado para o lojista virtual é o idioma falado nesses anúncios, pois não basta a elaboração e a concordância com outros elementos, todos devem ser direcionados para o público certo, com a promoção certa, data certa e por aí vai.

Por exemplo, se você for fazer uma campanha para o dia das crianças, certifique-se de falar o idioma dos pais e crianças e direcionar seus anúncios para quem de fato vai converter. O mesmo quanto ao apelo, principalmente se o seu produto é muito técnico, antes de fazer qualquer ação pesquise os concorrentes e o que foi feito, será de grande ajuda. Dica: Use apelo emocional, sempre!

Monitorar para saber mais

E por fim, o monitoramento, é importante entender o que você vai monitorar para que o seu resultado tenha forma, com tanta métrica, a pessoa até se perde. Mas sendo práticos, mantenha em evidência período, cliques, impressões, conversão e seus custos e a posição média. Para quem está começando essas métricas são mais do que um norte.

Entenda que quando se trata de mexer com valores, seja seu ou de outros, pensar, planejar e executar requerem muito cuidado, mas não deixe que a sua criatividade fique condicionada a isso. Lembre-se, fazer campanhas orgânicas fundamentando descontos progressivos, ações de remarketing e criar laços com seus clientes pode ser de longe, melhor do que qualquer anúncio e o diferencial para quem quer divulgar com pouco dinheiro.

Se precisar de ajuda para seus anúncios não esqueça de contar com a nossa consultoria, que só a plataforma Facíleme oferece para você!

Bons anúncios, ótimos resultados e até a próxima.

 

 

2 Comentários para “Como divulgar com pouco dinheiro e vender mais?”

  1. Luiza 6 de janeiro de 2017 as 8:03 #

    O grande segredo está em nichar bem o seu publico, caso contrário só gastamos dinheiro, já passei muito por isso e me frustrei.
    ótimas dicas, obrigada